I've never been happier

Mar 04

2 bicudos não se beijam… Este foi o início da conversa entre pai e filha, que me fez entender a função de pai e mãe - no bom sentido, claro.

Após um teste vocacional, meus pais foram chamados para uma conversa com minha psicóloga para falar a meu respeito; e nessa sessão, a doutora os contou sobre o que eu achava sobre a relação deles, isso deu muita conversa…

Hoje, cerca de uma semana depois, enquanto passeava com meu pai, ele me disse sua opinião em relação a isso, tirou uma questão que estava na minha cabeça desde sempre, e acabou com diversas dúvidas que eu tinha, diversos medos. Contou-me a história exata da separação e da reconciliação dos dois, que era um ponto de interrogação enorme na minha vida.

Meu maior medo sobre isso, é de que eles terminem essa vida sozinhos, mas essa conversa me mostrou que não importa o que aconteça, eles sempre vão estar do meu lado, e eu sempre vou amá-los mais do que tudo e sempre vou estar lá pro que der e vier nessa vida sem rumo.

Na volta para casa, percebi qual é a função de cada um na formação da filha. A mãe ta sempre lá, presente em todos os seus dias de aula, em cada “deixada” no shopping com seus amigos, ela está sempre cuidando de você, sempre querendo que você seja a menininha dela, enquanto que o pai é o verdadeiro responsável por lhe deixar/fazer crescer, ele é quem lhe fala as verdadeiras dificuldades da vida.

Durante esta longa conversa, ele me disse algo que aprendi recentemente, o tempo é o melhor dos remédios.

Para fechar este post, gostaria de pegar um discurso que encerrou uma novela - que eu particularmente adorei: “O tempo é um mestre muito caprichoso […] Tudo muda, muda o amor, mudam as pessoas, muda a família, só o tempo permanece do mesmo modo, sempre passando.”